Quem tem medo da loba má?

Há pouco mais de uma semana, estreou no Teatro Raul Cortez, em São Paulo (Rua Dr. Plínio Barreto, 285, Bela Vista), a peça Quem Tem Medo de Virginia Woolf? com os atores Daniel Dantas, Zezé Polessa, Ana Kutner e Erom Cordeiro. Sou apaixonada pela adaptação para o cinema dessa história de Edward Albee com a belíssima Elizabeth Taylor e o maduro Richard Burton nos papéis principais e fiquei grata por trazerem-na para os palcos paulistanos.

Quem Tem Medo de Virgínia Woolf?

Marta (Zezé Polessa) e Jorge (Daniel Dantas) formam um casal de meia-idade com uma relação bastante turbulenta que alterna entre momentos de ternura e violência. Eles são apresentados de maneira honesta logo na cena inicial: Marta é uma bela mulher impetuosa e sádica e Jorge, um marido cansado e frustrado com sua carreira de professor de História na universidade da qual seu sogro é reitor.

Duas da madrugada. Ao voltar para casa após uma festa do reitor com os professores e suas esposas, Marta informa ao marido que convidou Nick e Mel, um casal de jovens (Ana Kutner e Erom Cordeiro), para continuar a festa lá por sugestão de seu pai. Jorge protesta, mas os dois logo chegam e não há mais o que fazer. Quando a porta da frente é aberta a Nick e Mel, eles já presenciam algumas das deliciosas (não, deliciosas, não. Sádicas e assustadoras) provocações que Marta dirige a Jorge. Naquela situação de saia justa, o convidado até sugere voltarem uma outra hora, mas o casal os impele a ficar. E começa o embate.

Mel e NickNick é claramente o motivo pelo qual Marta os chamou (tanto que ela troca de roupa e coloca um vestido vermelho provocante após a chegada dos convidados). Já Mel, coitada… Albee e o diretor da montagem brasileira tiveram êxito em criar uma personagem feminina tão insossa – uma “ratinha sem quadris”, como dizem os bons anfitriões Jorge e Marta. Na apresentação dos jovens, o autor deixa de lado aquela sinceridade do início da peça e nos traz duas personagens caricatas: Mel e Nick, o casal interiorano e ingênuo começando uma nova vida juntos em outra cidade. À medida que o álcool nos copos vai substituindo a água dos corpos das personagens, as máscaras deslizam e somos confrontados com duas pessoas completamente diferentes.

Os minutos passam e Marta vai mostrando a mulher autodestrutiva e cruel que é. Jorge suporta muitas provocações e retruca, mas quase não resiste quando a esposa comenta à jovem sobre o filho dos dois. Não fica evidente se esse filho está vivo ou não, pois Jorge reage violentamente à sua menção. Aliás, pouco sabemos sobre as quatro personagens. Eles revelam algumas informações bem delicadas, e isso acontece o tempo todo, mas só temos um pouco mais de segurança sobre a veracidade dos fatos quando conversam em pares, após muitos conhaques, uísques e vodcas.

Marta e JorgeMel vai se mostrando uma mulher recalcada e insatisfeita e Nick, um jovem professor de biologia inescrupuloso que vai fazer de tudo, inclusive destruir casamentos, para conseguir ascender na universidade. Marta reforça a ideia que temos dela de uma mulher impiedosa. No entanto, vemos, também, que ela é apaixonada pelo marido e é retribuída, mas odeia as fraquezas de Jorge e o culpa por não ser ambicioso. E Jorge… Jorge é o que é: um professor universitário que, no fundo, só queria ter uma vida tranquila, mas que fez a besteira de se casar com a filha do reitor, seu chefe. Ao mesmo tempo em que parece desfrutar das ameaças e provocações da esposa, sofre com elas e rebate os insultos. Marta o leva ao extremo e, por diversas vezes, tem-se a impressão de que ele vai sucumbir. Ou explodir.

Ah, os insultos e as provocações… De alguns, eu e o público rimos. Com muitos outros, só conseguimos murmurar um “vish” ou “nossa…”. Alguns diálogos são extremamente incômodos e escandalosos, meio que uma recordação de que não se pode sair falando o que se deseja, especialmente em relacionamentos. São coisas que, simplesmente, não se diz; porém, as falas dos anfitriões são permeadas de segredos íntimos jogados em nossas caras e nas faces dos convidados. Não se pode escolher não ouvir: você está lá, na sala com aquelas pessoas desestruturadas, mas tão normais.

Elizabeth Taylor e outrosFaz bastante tempo que vi a versão cinematográfica da peça, mas senti que Zezé Polessa (linda, aliás) conferiu à sua Marta certa dose de humor ácido que não vi na personagem de Elizabeth Taylor, tão escandalosa e sexy quanto a versão
brasileira, mas com menos senso de humor. Daniel Dantas ficou ótimo no papel de Jorge, mesmo sem o charme de Burton. Acho que o único problema é o preço do ingresso nos finais de semana: R$ 90! Como voltei a ser estudante, paguei meia entrada, mas considero um preço excessivamente salgado. Sei que a situação dos atores de teatro brasileiros não anda fácil, mas é igualmente difícil frequentar peças pagando esse preço.

Mesmo assim, foram duas horas de risos e insultos que valeram a pena. Mas acho que, se me oferecessem, eu aceitaria uma bebida.

Info: a música (linda <3) dos Beach Boys que toca no início e no final da peça – God Only Knowshttp://grooveshark.com/s/God+Only+Knows/4iSt1h?src=5

Quem Tem Medo de Virgínia Woolf?
Em cartaz até 27/07
Teatro Raul Cortez
De sexta a domingo
Classificação: 14 anos

Ficha do filme Quem Tem Medo de Virgínia Woolf?, de 1966, no IMDb (em inglês): http://www.imdb.com/title/tt0061184/

 

Anúncios

3 Comentários

Arquivado em Teatro

3 Respostas para “Quem tem medo da loba má?

  1. O que mais gosto nos seus textos, além da sensibilidade para os detalhes, é que você dá uma série de informações, como local e preços, pra quem ainda quer ver a peça. Muito bom, Gi!

  2. Priscila Silva

    Acho que eu não aceitaria uma bebida, se soubesse o final da história, claro! 😉 hehe
    Como eu só tinha lido “por cima” sobre o roteiro, fiquei impressionada com os diálogos ácidos e o desenvolvimento agressivo da história, mas, ao mesmo tempo, tão verdadeira quando se trata das frustrações em relacionamentos longos, como seria o caso de Jorge e Marta, ou mesmo as máscaras e relações podadas de Nick e Mel, um casal muito mais jovem. Atuações excelentes e produção perfeita. O único problema é, realmente, o preço da entrada! 🙂

    • Giovanna R.

      Gostei de “desenvolvimento agressivo da história”, expressa bem como rola a peça. O preço é alto, mesmo, mas não podemos nos esquecer de que a entrada às sextas é mais barata, R$60. Quem pode ir nesse dia, deve aproveitar 🙂
      Obrigada pelo comentário pertinente 😉

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s